sábado, 29 de março de 2014

A CABELEIRA ROUBADA

O DIA QUE ROUBARAM A CABELEIRA DE RONNIE VON


A popularidade dos ídolos da Jovem Guarda era 
tão absoluta nos anos 60 
que alguns deles viraram tema de histórias em quadrinhos. 
Foi o que aconteceu com Ronnie Von, transformado 
em Roni Kon, em A Cabeleira Roubada,
 publicada na Revista o Pato Donald, da Editora Abril, em 1966.
Furtada por bandidos sem nenhum caráter, 
a cobiçada cabeleira do astro
 é depois recuperada pelo heróico agente secreto 00 (zero zero), 
auxiliado por sua fiel escudeira, a intrépida 
e destemida Pata Hari, e pelo cãozinho Lobo.



sábado, 11 de janeiro de 2014

A FOTONOVELA


Nos anos 60, as fotonovelas eram uma onda capaz de 
transformar fotoatores italianos
 (a Itália era então o grande celeiro dessas historias)
 como Michale Roc, Rosana Galli, 
Sandro Moretti e Jean-Mary Carletto em nomes nacionais.
A bordo de roteiros adocicados recheados de lugares-comuns, invariavelmente
 fotografado em preto e branco, faziam de publicações como Capricho, Grande Hotel.Ilusão
 e Noturno, campeões de vendas.
No Brasil, a Sétimo Céu deu cores brasileiras ao fotonovelismo 
e, em pouco tempo, 
dezenas de produções do gênero, protagonizadas por alguns
 dos nossos melhores atores ganharam as bancas.
A Melodias – a revista da mocidade, como se rotulava –
 também entrou nessa onda.
 E muitíssimo bem! Teve o mérito, de reunir na fotonovela
 Quando Nascer o Amor,
 do compositor da Jovem Guarda Fred Jorge, Wanderléa, 
a rainha da Jovem Guarda e Silvio Santos – 
já se revelando um grande apresentador de televisão.


quinta-feira, 21 de novembro de 2013

O COWBOY QUE FEZ A CABEÇA DO REI.

Nos anos 40, antes de as jovens tardes de domingo, o rapaz que seria
o rei da juventude brasileira nos anos 60, era, basicamente, um
garoto que amava pai, mãe, irmãos e Bob Nelson (Não exatamente nessa ordem).
Vivia cantarolando as músicas do ídolo.
A mãe dona Laura resolveu investir na veia artística do filho.
Resultado: o menino estreou, aos nove anos, na rádio cantando:
"Ó Susana, não chores por mim
que eu vou pro Alabama
vou tocando meu tamborim".

O encontro de Roberto Carlos e Bob Nelson.

No LP de Erasmo Carlos "1990 Projeto Salva Terra!",
Roberto fez uma homenagem para Bob com a música
"A lenda de Bob Nelson".
Sem seu coldre bordado a ouro
Roupa de brim em vez de couro
Sem uma estrela pra por no peito
que é sua por lei e por direito

Seguindo rastros no asfalto
sem ter mocinhas pra salvar
sem o relinchado amigo
do seu cavalo Raio de Luar... Assim não dá.

Lutando contra os índios daqui mesmo
sem nenhum dólar furado, pra furar
sem desfazer dos demais heróis fica sendo
o mais teimoso dos cowboys que eu vi
Bob Nelson, o único cowboy daqui.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

OS ANOS 6O ERA ASSIM

Pernas de fora (mini saia) que maravilha
a gente podia ver um pouco mais.

Garota ia na garupa da lambreta.

Ou quem tinha um dinheiro a mais, 
ia de Romiseta, só para dois.

Para os mais folgados, o Gordine (apertadinho).

Espaço mesmo era aqui na Rural Wills.
Podia servi de motel ambulante.

No calor do nordeste saborear uma laranjada
da Crush era a melhor pedida.

Assistir o programa Jovem Guarda em um televisor G&E.

Ouvir os sucessos do momento em um rádio de mesa.

Pegar o telefone e ligar pra garota marcando um encontro no cinema,
assistir as matines do domingo.


quinta-feira, 7 de novembro de 2013

ROBERTO CARLOS deixa a Associação Procure Saber.

O cantor Roberto Carlos não faz mais parte do grupo Procure Saber. 
Dody Sirena, empresário do Rei, enviou um e-mail aos demais integrantes, 
entre eles Chico Buarque, Caetano Veloso e Gilberto Gil, informando da decisão.

Na mensagem, de tom cordial, Dody compara o grupo a uma seleção de futebol,
 em que os jogadores se encontram, mas depois retornam a seus times.
 Ele diz, ainda, que os advogados de Roberto vão continuar atuando na questão 
das biografias, falando em seu nome. E garante que outros assuntos 
podem voltar a unir Roberto com os outros artistas do Procure Saber no futuro,
 como o direito autoral, as questões trabalhistas e as plataformas digitais. 
"Caminhamos bastante e divergimos algumas vezes. Sabemos que, no futuro, 
tudo isso será um grande exemplo de movimento coletivo", escreveu Dody.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

CLIFF RICHARD E SEUS VINHOS


Aos 72 anos, Cliff Richard ainda faz música...
e vinhos premiados.


No fim da década de 1950, com o grupo The Shadows, Cliff Richard fez parte da
revolução da música jovem na Grã-Bretanha.
Hoje, ele ainda grava e toca.
No inicio de sua carreira, apaixonou-se pela região do Algarve, em Portugal,
comprou uma fazenda perto de Albufeira e a transformou numa
vinícola de sucesso.


Cliff Richard está finalizando o novo álbum "Soulicious" com a gravadora EMI e
seu lançamento está previsto para outubro deste ano.